terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Ser tio é... ir ao "Toys R Us" ao fim da tarde do dia 21 de Dezembro



Ser tio é... ir ao "Toys R Us" ao fim da tarde do dia 21 de Dezembro.
Primeiro, o prazer de tomar um café e trocar presentes com o Álvaro, com aquele benefício acrescido de adiar o inevitável. Depois, rumar a Cascais.
Filas na A5, estacionamento caótico a exigir a perseguição a peões que se dirigem lentamente para a sua viatura carregados de sacos, uma fotocópia na mão com o pedido expresso pelo João...
Da porta da entrada avista-se a multidão e logo ali pela zona dos jogos, a voz dos fracos e a tentação soa na conversa entre duas amigas:
- Porque é que não desistes e lhe dás dinheiro.
Fracas.
Penso enquanto me encaminho para o corredor da marca do objecto pretendido onde já está o Santiago a fazer uma birra e a soltar gritos e urros.
A primeira constatação é a de que na hora da birra, os Santiagos de Cascais berram exactamente como os Brunos Vanderleis da Musgueira, com as mães Teixeiras da Cunha a serem tão impotentes na gestão do assunto quanto as suas congéneres Lopes.
O petiz até abafa os avisos da instalação sonora…
Não consigo ver a referência que procuro, supostamente de um carro telecomandado, e resolvo pegar no telefone para perguntar ao mano se há alternativas.
Discretamente não vá o rapaz estar por perto e perceber que o tio para além da barba branca também tem o mesmo número de telemóvel do Pai Natal.
Secção presentes é com a Fátima e acaba então por ser a minha cunhada a dizer-me que eu ando à procura de um avião, o que significa que eu ando há minutos a procurar aviões no "parque de estacionamento".
O santiago foi arrastado pela mãe e passa finalmente um assistente a quem eu resolvo perguntar pelo produto, mas já naquela fase em que estou por tudo e já tenho um helicóptero na mão.
Se é para voar…
Sigo-o até um corredor próximo e lá está ele... o avião.
Corro em slalom para a caixa entre Nenucos e camas de bonecas.
A fila é imensa com a sorte de ter à minha frente um casal em acesa discussão. Há pessoas que vivem umas contra as outras e nunca na perspectiva de viverem umas com as outras.
E ainda por cima é Natal.
A rapariga da caixa é estagiária e reage como a uma ofensa quando lhe peço um saco:
- Olhe que são vinte cêntimos...
Eu até pagava mais para sair daqui.
Os dois que discutiam à minha frente quase se matam um ao outro junto aos sensores anti-furto pois os alarmes dispararam.
A funcionária chega e resolve o assunto raspando com uma tesoura os códigos de um sensor.
Mas a mulher ainda diz:
- A culpa foi o tua.
Empatam o caminho a mais pessoas até ao instante em que finalmente conseguimos sair.
Está fresco. Sabe bem.
Missão tio cumprida com êxito.

Sem comentários:

Enviar um comentário