sábado, 6 de junho de 2015

A nossa história


O tempo mandou instalar uma mesa para dois na mesma esquina onde um dia a História mudou numa longínqua tarde de Fevereiro.
Mataram o rei.
Viva a República!
E na tarde quente deste Junho, só o Terreiro e o Tejo parecem iguais, abraçando-nos o olhar nos seus respectivos tons de ocre e azul, ao jeito de quem diz:
- Há tanto tempo que esperávamos aqui por vós.
Sim.
Eu também há muito que pedia à sorte para me fazer chegar aqui e a este instante, a esta esquina que parece ter nascido para mudar a História e a história de cada um.
O teu olhar acendido pela brisa quente já devolveu ao panteão as cinzas fúnebres das ilusões que coroaram todos os falsos amores.
O teu olhar é a estrada da minha mais do que segura e verdadeira rota.
Viva o futuro.
E quando já deixávamos a nossa mesa e me deste um beijo que ainda sabia a café, eu senti-me abraçado à história para a qual nasci.
Feliz, olhei de relance para o Tejo e para o Terreiro; sorriam comigo.
E deixei-os então por ali a guardarem por nós as memórias da mais bonita história de amor: a nossa.
Depois subi contigo a Rua Augusta num passo matizado de abraços, os dois beijando a calçada que um dia foi de Mastroianni:
“O segredo a descobrir está fechado em nós
O tesouro brilha aqui, embala o coração
Mas está escondido nas palavras e nas mãos ardentes
Na doçura de chorar nas carícias quentes”



Sem comentários:

Enviar um comentário