quinta-feira, 11 de junho de 2015

Na pedra mais clara do ribeiro… por entre aromas de poejo e hortelã


Na pedra mais clara do ribeiro, polida pela avó e pelas suas mãos envoltas em sabão nas manhãs quentes de primavera, sento-me a descansar por entre o aroma do poejo e da hortelã.
Escutam-se grilos ao longe, lá mais para o cimo do monte tingido de esteva e giesta, enquanto a água responde com um ligeiro e contínuo suspiro ao afago que a minha mão lhe oferece, tomando de si uma frescura que se agradece.
A planície estendida ao céu e ao sol transformada na minha imensa casa enquanto te escrevo palavras de amor.
E as águas que o inverno guardou, aquelas mesmas das torrentes em tantas manhãs e tardes de tormenta, são agora a bênção do Divino cruzando o estio.
Aqui sentado, coroado poeta por ti e por este amor que me revelas maior a cada instante, eu sou apenas o elo de uma história com raízes de tantos anos, um poeta que tece palavras, tal qual as mãos filhas e mestras da poesia que por entre a espuma e o sabão teceram odes de coragem sem outras rimas que não a de vida com liberdade.
E aqui sentado, tomando alento das águas de tantas tormentas nos meus tempos antigos, eu teço palavras que são tuas e doces, ornada a alma da certeza de que jamais saberia amar alguém como te amo ati; porque há sempre um amor derradeiro por quem a vida procura… e eu encontrei-te.
Na pedra mais clara do ribeiro… vou saboreando lentamente as tuas lembranças por entre os aromas do poejo e da hortelã.

Sem comentários:

Enviar um comentário