segunda-feira, 22 de junho de 2015

Notas à solta num caderno sem cor

O Primeiro-ministro diz que é um mito urbano, o seu suposto convite à emigração. As mensagens não necessitam ser passadas pelos próprios e o desemprego é tão eficaz a mandar estes recados.

A gente do PS está em choque com o facto das sondagens lhes atribuírem votos em número idêntico ao da coligação do governo. Se estivessem atentos às estatísticas que revelam que em Portugal apenas 1% da população sofre de demência talvez não se espantassem tanto.


No passado 10 de Junho, o Presidente da República condecorou o costureiro da mulher. Aguardo com expectativa o dia em que a minha mãe receberá condecoração pois sendo modista de profissão e estando habituada a fazer saias para mesas redondas de diâmetros avantajados...

O líder do PS diz que nenhum dos seus ministros permanecerá em funções se estiver envolvido em suspeitas de corrupção. Pois... mas gostaríamos que ele dissesse que sobre nenhum dos seus ministros recairiam alguma vez suspeitas de corrupção. Que grande confiança no grupo de potenciais ministeriáveis...

Passos Coelho disse que precisamos de colocar a poesia na nossa vida. À excepção da trasladação do corpo do Eusébio para junto da campa de Sophia, no Panteão, sinceramente não me recordo de qualquer outra aproximação do povo à poesia que ele tenha promovido.

A ex-Ministra da Cultura, a última, afirmou que ao rejeitar a pulseira electrónica, José Sócrates não estava a vitimizar-se, pois estava apenas a pretender ficar numa situação pior. Quem se vitimiza costuma querer apresentar-se numa situação melhor? Parece que Ministério da Cultura já não existe há quatro anos mas o Ministro da Cultura já não existe há muito mais tempo.

Em relação a José Sócrates há quem continue a confundir "Preso Político" com "Político Preso". E os outdoors espalhados pelo país são cá de um respeito pela justiça...

Sem comentários:

Enviar um comentário