segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Like a virgin…


Numa montra da Rua da Misericórdia, do lado esquerdo de quem desce para o Camões; entre almofadas em forma de sardinha, imagens de Santo António de todas as cores e ímans que representam os eléctricos amarelos da Carris, há uns chinelos de lã feitos à mão que nos apetece importar directamente para os nossos serões de inverno.
Do alto do restaurante ao cima da “sétima colina”, em São Pedro de Alcântara, desfruta-se de uma privilegiada vista para a Graça, a Sé, o Castelo, e para uma muito generosa nesga de Tejo…
A partir da aparelhagem do restaurante, o “Like a Virgin” da Madonna inunda toda a sala. Uma versão num tom mais intimista que a original mas que mesmo assim não impede que ressuscitemos a ousadia que herdámos desta música e dos eighties… a ousadia e os sonhos…
Enquanto escutamos a música tu lês uma carta de amor que te escrevi ainda hoje pela tarde, e eu olho-te para ver muito mais do que apenas Lisboa, para ver afinal o meu mundo, e o mundo inteiro que tu guardas em cada detalhe de ti…
Depois, mesmo estando do outro lado da mesa eu percebo que quando terminas a leitura e através da tuas palavras, me dás mil beijos, your heart beats next to mine.
E o meu próprio coração também não poderia estar agora a bater mais próximo do teu.
Apetece-me então dar um tiro no relógio e matar o tempo para que fiquemos eternamente aqui neste instante tecido de ousadia, de um sonho maior, e sobretudo de amor.
Um amor assim que tem a dimensão perfeita e intensa que o torna inédito como uma primeira vez, for the very first time; porque se nasce e renasce em cada amor.
E uma primeira vez que eu quero então tornar última e única com a duração da eternidade.
Sente-se uma certa corrente do frio de Janeiro que a climatização do restaurante não consegue disfarçar e eu ouso sonhar com uma casa de janelas viradas para o rio, e nós os dois de chinelos de lã devidamente calçados, a olharmos juntos cada mais pequeno detalhe das noites todas que a vida nos oferecer.
Os dois por entre o amor deste instante…
Sim, porque só o amor pode perdurar, cause only love can last

Sem comentários:

Enviar um comentário