quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O sofá de um Homem enamorado é um parapeito de vistas infinitas e ilimitados horizontes


O sofá de um Homem enamorado é um parapeito de vistas infinitas e ilimitados horizontes; que o pensamento jamais se nega a tomar e a fazer suas, as mais ousadas e destemidas oníricas asas que o amor lhe “imponha”, e assim voar para longe.
Sem autocensura como privilégio, sem humanas e racionais “portagens” debitadas directamente na conta do bom senso, as noites de aparente silêncio são assim o berço de histórias que alinham o tempo com tudo o que está inscrito na nossa vontade.
E rompem qualquer espaço.
Às vezes enquanto voo, pego na caneta e no bloco de capa vermelha, e coloco as melhores palavras que conheço na história que nasce em mim, fazendo um Diário de Bordo onde os quilómetros são o caminho por onde me levam as sensações.
Bem mais importante do que qualquer outro registo diário; que aquilo que fazemos é o previsível que toda a gente vê, e aquilo que se sente é o que nos define e muito melhor fala de nós.
Numa destas noites olhei para a parede onde repousam os teus traços, abracei-me a ti na memória do teu cheiro e do toque da tua pele, e sentado no sofá com caneta e bloco, deixei-me levar pelo eco de uma inédita paz, pondo palavras numa viagem contigo.
Voámos os dois num beijo imenso, e na areia de uma praia deserta e sem nome, inscrevemos os passos num caminho desenhado em paralelo que o vento e o mar fizeram questão de guardar em si.
O vento fala destes passos e deste amor quando sopra ao jeito de um cantar que abraça as árvores e as montanhas, e o mar guarda deles o sal, porque tudo aquilo que é grande sempre acaba por nos fazer chorar.
A comoção dos amantes no caminho de areia, num abraço por entre o cantar do vento que quando nos beija sempre traz com ele o aroma que bebeu de uma qualquer flor.
E no final da noite, quando regressei a este tempo e sentado no sofá, continuava a olhar os teus traços na parede, e no caderno vermelho tinha palavras que eu não sei como escrevi…
Mas dizem que é um poema de amor.
É capaz.

Sem comentários:

Enviar um comentário