terça-feira, 24 de novembro de 2015

Boa sorte. Por todos nós.


Regras são regras e as da democracia representativa são muito claras: “governa” quem tem mais votos e mais deputados. É o caso da esquerda no Parlamento de Portugal neste exacto momento.
Por ironia e exactamente quarenta anos depois do 24 de Novembro de 1975, a esquerda mais à esquerda entendeu-se finalmente e voltou ao poder.
Com fairplay democrático, esse sentimento que não fala de sapos engolidos ou de antiácidos e inibidores da bomba de protões para combater qualquer acidez gástrica, felicito-os e cá estou para ajudar quem lidera o meu país, porque Portugal e os Portugueses serão sempre tudo o que mais conta no meio de todas estas “guerras” de militâncias e “fés”.
Ao trabalho, então. Todos juntos.
Mas para quem tem estado por aqui a votar, a trabalhar, enfim… a viver, não se esqueçam que temos quarenta anos de críticas vossas, de sugestões, de palavras de ordem, de gritos, de ímpetos de revoluções… e tenho de confessar que é com muito interesse e grande expectativa que aguardo a concretização dessa vida tão melhor que sempre prometeram oferecer-me.
A mim e a todos os que trabalhamos, bem entendido; e aviso desde já que tenho uma excelente memória e registei tudo.
Chegou pois a vossa vez.
Chegou a hora de arrearem as bandeiras para confeccionarem lençóis para o povo, de aproveitarem as pedras para construírem casas e estradas, e de aproveitarem as ondas de gritos para fazerem vento e porem os moinhos a dar mais trigo para haver pão.
Tenho a certeza de que não irão… de que não iremos falhar.
Só mais uma última palavra para vos dizer que em democracia goza-se de reciprocidade e que se as coisas correrem mal nós temos quarenta anos de palavras de ordem e gritos para vos arremessar, e vocês têm de nos tolerar como nós o fizemos exemplarmente.
É justo.
Não se esqueçam que o vosso tempo de dizer mal acabou hoje e que as pedras que guardaram nas vossas sedes deverão ser para construir casas e não para atirar a quem vos critica, porque tal intolerância é afinal algo demasiado fascista.
É que se um amigo do Bloco, do PC ou do PS me vier criticar por eu dizer mal do seu governo, tal soará tão ridículo quanto um leproso que aponta o dedo à ferida mínima do dedo mindinho de alguém que se cortou a descascar batatas.
Mas estou certo que tal não irá acontecer.
Boa sorte. Por todos nós.

Sem comentários:

Enviar um comentário